Meditação Vipassana: 10 dias em silêncio
22 Agosto, 2019

Fiz um retiro de 10 dias de meditação vipassana, sobrevivi e estou aqui para contar tudo (ou quase).

Enquanto pensava como elaborar este post, lembrei-me de como tudo começou e como cheguei à meditação Vipassana. 

Dhamma Sacca Candeleda (Espanha) – Dormitório mulheres (foto tirada com telemóvel)

Como cheguei à Meditação Vipassana:

Tudo começou em Abril de 2019. Numa madrugada de insónias (não era a primeira nem a última) a minha mente não conseguia ficar calma. Nada de sono e milhares de pensamentos vinham à minha mente. 

Tinha tudo para estar bem, mas simplesmente não estava. O meu segundo livro estava prestes a chegar às livrarias e eu sentia um enorme vazio e ansiedade à mistura. Um mix de sentimentos que (não) era novo para mim. 

Nunca contei por aqui, mas desde 2018 que já contabilizava o meu 3º ataque de pânico, com muita ansiedade à mistura. Nunca na minha vida tinha tido um ataque de pânico. Mas ali estava eu, sem entender o que se passava dentro de mim. 

Foi então que decidi: precisava procurar algo para me ajudar a lidar com todos esses sentimentos.

Poderia procurar um psicólogo (a opção mais racional e recomendada), ou uma terapia alternativa como reiki ou Medicina Tradicional Chinesa.*(ver nota abaixo do post)

Mas sentia que não era isso que precisava e na minha mente eu repetia (em loop)

“Precisas estar em silêncio..”,

“Precisas entrar dentro de ti, conhecer quem és..”,

“O que precisas é afastar de tudo e ver outra perspectiva..”

..meio louco não? 

Foi então que coloquei no google “retiro” e “silêncio”. Encontrei vários retiros em Portugal, mas nada chamou realmente à minha atenção. Depois de 1 hora de pesquisa cheguei ao nome “Meditação Vipassana”. 

Vipassana, não me soava estranho.. já tinha ouvido falar algures. Lembrei-me do video da Mimi Ikonn sobre como tinha ultrapassado a depressão, os ataques de pânico e ansiedade. Comecei a minha busca e nessa noite dormi apenas algumas horas, mas encontrei o que precisava. 

No dia seguinte perguntei no instastories se alguém já tinha feito um retiro do género. Obtive algumas respostas e percebi que a Sofia Mano tinha estado nesse retiro uns dias antes. Falei com ela e tive ainda mais certezas de que era isso que queria fazer.

Foi assim que cheguei ao Vipassana.

Dhamma Sacca – Candeleda (Espanha), trilho das mulheres (foto tirada com telemóvel)

Mas afinal o que é Vipassana?

Vipassana significa “ver as coisas como elas são”.

É uma técnica de meditação cujo objetivo é a purificação da mente, através da eliminação dos padrões de pensamento e comportamento que causam o sofrimento. Tudo começa com a consciência e observação das sensações no corpo. 

É uma das técnicas de meditação mais antigas da India e praticada (ou redescoberta) por Sidarta Gautama (mais conhecido por Buda ou Buddha). 

Toda a filosofia da técnica assenta nos valores do budismo, no entanto pode ser praticada por qualquer pessoa e/ou religião.

Vipassana é um caminho de autotransformação através da auto-observação. Focaliza-se na profunda interconexão entre a mente e o corpo, que pode ser experimentada diretamente pela atenção às sensações físicas do corpo e que se interconectam com a mente.(1)

É esta jornada de autoconhecimento baseada na observação à raiz comum da mente e do corpo que dissolve as impurezas mentais, resultando numa mente equilibrada, cheia de amor e compaixão.(1)

Como é uma técnica milenar, tem sido passada de geração em geração por professores que a praticam e ensinam (sem qualquer alteração à técnica original). 

Hoje em dia o curso de meditação vipassana é ensinado em todo o mundo e conta com centenas de centros. O mais conhecido e difundido é de Meditação Vipassana como ensinada por S.N. Goenka na tradição de Sayagyi U Ba Khin. 

Foi assim que cheguei ao site Dhamma.org.

Dhamma Sacca – Candeleda (Espanha) – Sala de Meditação

Como fazer um curso/retiro de meditação vipassana:

Existem mais de 200 centros espalhados pelo mundo, onde se ensina meditação Vipassana. Podes ver o mapa aqui

Para te iniciares na técnica de vipassana é necessário fazer o curso de 10 dias. Não dá para aprender vipassana em casa, é mesmo preciso passar pela experiência.

Quando fazemos (pela primeira vez) o curso somos chamados de “novos alunos”. Após terminar o curso passamos para a categoria de “antigos alunos”. É possível repetir o curso de 10 dias (ideal 1x por ano) ou fazer cursos mais pequenos de 1 dia ou de 3 dias (apenas para “antigos alunos”).

Fazer o curso em Portugal:

Infelizmente o centro que existia em Portugal já fechou, os cursos em inglês/português são feitos no centro Dhamma Sacca em Ávila (Espanha)

  • Calendário cursos Espanha (inglês/português) apenas 3xs por ano – aqui
  • Calendário cursos Espanha (inglês)aqui 

Inscrição:

No calendário de cursos aparece a data para as inscrições (só é possível a inscrição a partir dessa data). Normalmente as inscrições abrem 3 meses antes. 

Nota: as vagas esgotam em menos de 24 horas (pela minha experiência), por isso aconselho que acedas ao site às 7h00 da manhã no dia da inscrição para garantires o teu lugar. 

Após a inscrição (preenchimento de um formulário) irás receber um email de confirmação (se foste aceite ou se estás em lista de espera). Tudo é feito online e de forma fácil. 

1 mês antes recebes um email para confirmar se ainda estás interessado(a) em participar. É necessário responder.

1 semana antes do inicio do curso recebes outro email com algumas indicações (coisas a levar). 

Deslocação (como ir até Ávila-Espanha):

É possível ir de Portugal até Ávila de várias formas. Quando fazes a inscrição eles enviam as várias sugestões:

  • De avião até Madrid -> do aeroporto de Madrid até à estação de Atocha (podes ir de metro por ex) -> Autocarro de Atocha até ao Dhamma Sacca (fornecido pela organização), é necessário comprar os bilhetes previamente. O valor do autocarro são 25€ (ida e volta). O preço dos bilhetes de avião pode variar. No total (com avião e autocarro), gastei cerca de 80€. 
  • Carro -> podes partilhar a boleia. Existe um local onde podes oferecer ou pedir boleia. 
  • Comboio -> dependendo do sitio de partida, é possível ir até à estação de Atocha em Madrid (de comboio) e depois apanhar o autocarro até Dhamma Sacca. 

Como funciona o curso:

Duração:

10 dias. Na verdade são 12 dias (1º dia para inscrição e acomodação e começa o nobre silêncio. 11º dia termina o curso). 

Horário:

  • 4h00 (manhã) – Despertar com o toque do Gongo
  • 4h30 às 6h30 – Meditação (na sala de meditação ou no quarto)
  • 6h30 às 8h00 – Pequeno-almoço e descanso
  • 8h00 às 9h00 – Meditação de grupo obrigatória (na sala de meditação)
  • 9h00 às 11h00 – Meditação (na sala de meditação ou no quarto)
  • 11h00 às 13h00 – Almoço e descanso
  • 13h00 às 14h30 – Meditação (na sala de meditação ou no quarto)
  • 14h30 às 15h30 -Meditação de grupo obrigatória (na sala de meditação)
  • 15h30 às 17h00 – Meditação (na sala de meditação ou no quarto)
  • 17h00 às 18h00 – Lanche: para novos alunos 2 peças de fruta e para antigos alunos apenas limonada. 
  • 18h00 às 19h00 – Meditação de grupo obrigatória (na sala de meditação)
  • 19h00 às 20h15 – Palestra (Audio ou video com Goenka)
  • 20h30 às 21h00 – Meditação de grupo obrigatória (na sala de meditação)
  • 21h00 – Dormir.

Nos primeiros 3 dias começamos por praticar Anapana (observação da respiração), tal como ela é. A partir do 4º dia entramos na técnica de Vipassana. A cada dia a técnica vai evoluindo.

O curso está muito bem estruturado e sim são mais de 10 horas de meditação diárias. No final dos 10 dias são quase 100 horas de meditação. É muito louco. 

Acomodação:

No centro Dhamma Sacca em Avila, os quartos são partilhados com mais 5 pessoas (6 pessoas num quarto), com beliches. 

As casas de banho são compostas por 3 sanitas, 3 chuveiros e 3 lavatórios. Partilhadas com 24 mulheres. 

Apesar disso o espaço é muito limpo, organizado e com ótimas infra-estruturas. 

Há segregação de Homens e Mulheres. 

Refeições:

São todas vegetarianas (maioria sem derivados) e apenas são servidas 2 refeições principais por dia (pequeno-almoço e almoço). A comida é ótima. 

Algumas regras:

  • Desde o 1º dia (18h00) até ao 10º dia (11h00) é obrigatório respeitar o nobre silêncio. Não podemos falar (verbalmente) com outros alunos, fazer gestos ou olhar nos olhos. Apenas é permitido falar (mínimo possível) com os professores e os organizadores. 
  • Não é permitido o uso de telemóveis (são entregues aos organizadores no 1º dia), computadores, rádios, livros ou escrever. No inicio é estranho mas depois rapidamente nos habituamos. P.s: podemos usar relógio (eu usei). 
  • Não é permitido fazer actividades físicas (incluindo yoga). Apenas podemos caminhar ou fazer alongamentos. 
  • Não é permitido ter contacto fisico com qualquer participante. Existe uma total segregação dos Homens e das Mulheres. 
  • Existe toda uma etiqueta de roupas a usar durante o curso. Não é permitido usar roupas justas ou transparentes. 

Valor do curso:

Não existe um valor estipulado para este curso. Todos os cursos funcionam na base da doação. Apenas os alunos que completaram os 10 dias podem fazer doações. 

O valor da doação fica ao critério do participante. Mas a verdade é que só conseguimos participar de um curso devido à generosidade dos antigos alunos, então tudo funciona na base do altruísmo. 

Nascer do Sol – Dhamma Sacca – Candeleda (Espanha)

A minha experiência com vipassana:

Desde Abril até Agosto tive mais de 5 meses para me preparar. Confesso que vi centenas de videos no youtube e precisei de garantias (control freak) de que o curso não seria  “banha da cobra”, por isso fiz muita pesquisa.

Achava eu que estava preparada. 

Pobre eu.. sabia de nada! 

Não vou contar as minhas experiências mais profundas (não é esse o meu objetivo), mas posso dizer que foi uma das experiências mais incríveis e difíceis que fiz até hoje. 

Devo também alertar que cada experiência é única, por isso nada substitui as experiências individuais. É impossível explicar esta técnica sem estes 10 dias. Simplesmente não dá. 

Também não aconselho a experiência a todas as pessoas. Na minha opinião é preciso estar minimamente bem (nível psicológico) para passar por este processo. Isto mexe a vários níveis (fisico e psicológico).

Mas, é impossível passar pela experiência e nada mudar. Há de facto uma transformação interna. 

Os maiores desafios (da minha experiência):

Sono: até ao 6º dia esteve no top de maior dificuldade. Foi a verdadeira tortura acordar todos os dias às 4 da manhã (3 da manhã em Portugal), passar 10 horas a meditar e depois dormir às 21h00. O meu corpo simplesmente não queria dormir a essa hora. Aliado ao facto de partilhar o quarto com mais 5 pessoas (2 delas ressonavam). Cheguei a dormir cerca de 3 horas por dia. 

Dor física: tudo dói, apesar de haver intervalos de 5 minutos entre cada meditação, nada prepara o corpo para passar mais de 10 horas diárias sentado em posição de meditação. É a verdadeira tortura. A boa noticia é que melhora a partir do 7º, 8º dia. ahahahah

Barreira mental: ora bem.. ponto numero 1 (o sono), aliado ao cansaço e dor física. Juntar a isto 1 hora seguida com os olhos fechados a tentar observar a respiração natural.. sem qualquer visualização, mantra ou musica. Ui, a tarefa é tudo menos fácil. Acreditem!  

A mente é uma tagarela, um verdadeiro animal selvagem que não quer ser domado. Tive momentos que achava tudo surreal.. achei mesmo que era impossível tal tarefa.. mas calma, com paciência e trabalho árduo tudo se consegue. Não desistas (era sempre o que pensava). 

O silêncio: apesar de rapidamente me ter adaptado, confesso que tive dias em que precisava ouvir a minha voz. Nos passeios (é permitido fazer passeios), falei sozinha tantas, tantas vezes.. se fosse observada por outra pessoa deveria parecer a verdadeira louca que fala sozinha e gesticula. 

Os melhor da experiência:

O silêncio: embora tenha sido um desafio, o outro lado da moeda foi a descoberta de que eu adoro a minha companhia. Há algo de mágico no silêncio. Aqui conseguimos praticar a verdadeira essência do mindfulness.

Auto-conhecimento: esta técnica ensina a olhar para dentro. Apesar de já ter praticado várias técnicas de meditação, nunca tinha conseguido entrar em contacto comigo mesma durante a meditação. Durante esta prática, estive em contacto com todo o meu ser (o bom e o mau). Sim, nem tudo é lindo. 

A importância da meditação: agora sim, percebo o motivo real da meditação. Ela não serve apenas para nos relaxar ou ajudar a controlar o stress (sim ajuda), mas mais do que isso, a meditação dá ferramentas para mudar crenças, pensamentos e comportamentos.  Isto tudo é possível graças ao auto-conhecimento através das sensações do corpo. É muito incrivel.

Aprendizagem para a vida: levo muito desta experiência, sobretudo aprendizagem e técnicas para aplicar no meu dia a dia. Uma das maiores aprendizagens foi o conceito “tu não podes mudar os eventos externos, mas és inteiramente responsável pela forma como reages a eles”. Gravei isto em mim e tenho aplicado todos os dias na minha vida. 

Em jeito de conclusão:

Aconselho esta experiência a quem está a passar por algum período de dor na sua vida ou a quem tem “sede” de se conhecer. 

A verdade é que somos ensinados (desde pequenos) a camuflar os sentimentos. Aprendemos a procurar estímulos externos e ninguém nos explica a importância de sentir ou como podemos mudar comportamentos através da meditação. 

Esta técnica não faz milagres, nem cura.. o trabalho é todo individual e sim, é um trabalho de auto-observação diário. É para a vida, para todos os dias. 

Se é facil?

Não é!

Se vale a pena? Muito. Só não entendo como não descobri mais cedo. 

Até breve

Vânia

Referências:

*(ver nota abaixo do post) Disclamer: os ataques de pânico são um assunto sério e devem ser tratados com a ajuda de um profissional de saúde. Este post e desabafo serve apenas para partilhar a minha história. Caso tenhas ataques de pânico deverás procurar ajuda de um profissional de saúde. A meditação poderá ajudar, mas não deve ser o único método de tratamento. 

Vânia Ribeiro

Vânia Ribeiro

Criou o Made by Choices em 2015 com a missão de viver e inspirar para uma vida mais saudável. Autora dos livros As 5 Cores da Cozinha saudável e O Menu da Semana“.

21 Comentários

  1. Sónia Câmara

    Olá Vânia, absorvi todas as tuas palavras como se estivesse a viver o próprio momento, preciso de me encontrar, sinto necessidade de estar comigo própria, de cuidar de mim, de libertar me de alguma medicação que tomo já há algum tempo para a ansiedade e ataques de pânico, gostaria de experimentar esta técnica, acho que será isto a libertar me desta dependência… Acredito que não será fácil.. Mas através do teu testemunho senti que posso ser capaz, muitas vezes tenho sede do silêncio agora pergunto conseguirei saciar a minha sede com esta experiência, uma parte de mim diz que sim… Acho que o que sentirei muita falta será da música, estou verdadeiramente curiosa por experimentar e partilhar a minha experiência, obrigada foste uma inspiração… Um grande beijinho de quem não te conhece mas reconhece te através das tuas palavras ❤️

    Responder
    • Vânia

      Olá Sónia,
      Fico feliz que as minhas palavras tenha ajudado (mesmo deste lado do ecrã).
      Espero que a experiência tenha sido aquilo que buscavas.
      Um grande beijinho
      Vânia

      Responder
  2. Claudia

    Olá Vânia!

    Antes de mais obrigada por teres partilhado a tua experiência. Não imaginas o quanto foi uma ajuda no meu caso.

    De um momento para o outro, assim do nada, senti que precisava retirar-me, estar longe e só comigo própria.
    A primeira pesquisa que fiz sobre retiros presenteou-me com informação sobre o retiro de silêncio de 10 dias Vipassana.
    Fez-se luz e senti que era por esse caminho que tinha de ir e confesso que ler o teu relato reconfortou-me na decisão tomada.
    Assim sendo, fiz hoje a inscrição e apenas aguardo a confirmação.

    Obrigada porque sem saberes deste uma grande ajudinha ?

    Responder
    • Vânia

      Olá Cláudia, espero que a experiência tenha sido boa. Fico feliz por ajudar (de alguma forma).
      Beijinhos
      Vânia

      Responder
  3. Inês

    Pode ser uma pergunta estranha mas qual será um valor que faz sentido de doação?
    Inês

    Responder
    • Vânia

      Olá Inês, o valor que fizer sentido. Não existe um valor mínimo, nem máximo e se não conseguir contribuir com dinheiro, pode ser com serviço (algo que saiba fazer para ajudar a instituição)

      Responder
  4. Cintia

    Olá Vânia, tenho seguido o teu blog desde que estou em transição para uma dieta vegetariana, mas só hoje vi este post. Fiz Vipassana há 5 anos, ainda em Portugal, no Algarve. Foi uma experiência muito forte e ultimamente tenho pensado em voltar a fazer. Foi giro ver este post

    Responder
  5. Francisco

    Obrigado Vânia. Vou fazer o meu primeiro retiro de silêncio este fds. Não é um vipassana mas é uma introdução. Obrigado pelas dicas e por partilhares a tua experiência!

    Responder
    • Inês

      Boa tarde, qual é o retiro?

      Responder
  6. Cristina

    Obrigada pela partilha Vânia, não conhecia e acho que deve ser transformador!! Fiquei curiosa com a adaptação “à vida normal” quando se volta, sentes a falta de poder meditar como no retiro?

    Responder
    • Vânia Ribeiro

      Olá Cristina.
      Ótima questão.
      Neste momento já passou (quase 1 mês).. então acho que já consigo ter uma noção.
      “vida real” é muito mais desafiante (sem qualquer dúvida), a primeira semana foi bem difícil a adaptação.
      Não é tão fácil meditar como no retiro.. mas é preciso manter o hábito. Neste momento estou a fazer 2 períodos de meditação (de manhã assim que acordo), faço entre 30min a 1 hora (as vezes é muito difícil) e à noite depois de jantar. Mas é bem desafiante..
      Um grande beijinho
      V.

      Responder
  7. Henrique

    que lindo, tem tempo que procuro informação sobre vipassana mas encontro pouca coisa. tem alguns centros aqui no Brasil também. obrigado pelo artigo.

    Responder
    • Vânia Ribeiro

      Olá Henrique.
      Sim ? no Brasil tem centros de Vipassana. Quando andei na pesquisa de depoimentos (no youtube), a grande maioria era do Brasil. O povo brasileiro é muito mais aberto a estas experiências.
      Um grande beijinho.
      Espero que faças um retiro.
      Vânia

      Responder
  8. Marta Chan

    Muito agradecida por partilhares a tua experiência! E muitos parabéns por teres conseguido terminar, normalmente há várias desistências aos 2, 3 dias de vipassana.
    Como já te tinha dito está na minha bucket list e assim que houver o chamamento vou participar, agora fiquei ainda mais motivada com o teu relato super detalhado ?
    A sensação de sair dum retiro de 10 dias em silêncio é tão especial, ficamos mais leves e felizes por passarmos tanto tempo connosco próprios.
    O que senti mais falta era de rir, então aproveitava os últimos 5 minutos que podiamos falar com o nosso grupo de discussão sobre temas do budismo para rirmos que nem uns perdidos, sem razão aparente hehe e sim, também falava comigo própria mas isso é uma coisa que já faço no meu quotidiano ?

    Responder
    • Vânia Ribeiro

      Olá Marta ?
      Acreditas que pensei em ti? Lembrei-me tantas vezes da nossa conversa no Instagram!
      Eu não relatei no post, mas eu queria fugir no final do 1º dia ??? foi mesmo do choque, quando percebi o que significava ficar 10 horas em meditação. Eu só pensava “nunca, em tempo algum vou conseguir levar isto até ao fim..”. ahahah na minha cabeça aquela malta era toda masoquista.. e eu pior que me dei como voluntária. Mas isto são tudo entraves da nossa mente e posteriormente percebi isso.
      O pós é maravilhoso. Quando percebes que consegues e tudo o que alcançaste até ali. É incrível.
      Ahahahah entendo o que dizes com o riso ?
      Um grande beijinho
      Vânia

      Responder
      • Marta Chan

        Hahaha imagino todos os monstrinhos da tua mente a dizerem te que era uma loucura conseguires mais 9 dias daquilo. Olha como és forte e conseguiste mesmo!
        Se tiveres mais experiências destas partilha aqui ?
        Beijinho!

        Responder
        • Vânia Ribeiro

          Foi isso mesmo.. muitos monstrinhos ?
          Um grande beijinho Marta

          Responder
  9. InesA

    Obrigada pela descrição da experiência, não conhecia esta técnica de meditação ❤️

    Responder
    • Vânia Ribeiro

      Olá Inês ?
      Sim, também é recente para mim. Daí fazer sentido partilhar (ainda mais) a minha experiência.
      Um grande beijinho
      Vânia

      Responder
  10. Alda Assunção

    Cara Vânia, muito obrigada por partilhares a tua experiência! Sem dúvida subestimamos o nosso próprio poder interior… muitas vezes por nem sequer o conhecermos na sua verdadeira essência… E desejo a todos aqueles como eu, que procuram o seu verdadeiro caminho, o consigam encontrar, por muito difícil que seja! A meditação é um caminho, e sem tentar…nunca saberemos onde nos leva! Boa sorte!

    Responder
    • Vânia Ribeiro

      Olá Alda
      Muito obrigada pelo tempinho em escrever esta mensagem tão carinhosa ?❤️
      É mesmo, o nosso poder interior é subestimado.. e deveria ser sempre a primeira fonte de pesquisa.
      Não é um caminho fácil, mas é necessário.
      Um grande beijinho
      Vânia

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

produtos Made by Choices

Subscreve a Neswletter

Recebe gratuitamente o eBook “7 pequenos-almoços para a semana”

Categorias

Receitas Saudáveis

Na cozinha

Vegetariano 101

Sustentabilidade